Abinee: Inflação, juros e eleição derrubam em 2,3 pontos confiança do empresário

Estadão Conteúdo, IstoÉ, IstoÉ Dinheiro, Brazil News, Diário do Sudoeste, Mercado & Consumo, Época Negócios, TN Online, GMC Online, Gaúcha ZH, Broadcast, Uol, Jornal do Comércio/RS, O Dia/IG, Portal do Holanda, A Cidade On, Acionista, Bol, Brasil em Folhas, VNExplorer, Notícias R7, Ricardo Borges, Jornal do Oeste, Dinheiro Rural - 21/07/2022

Após três meses seguidos de aumento, a confiança dos empresários da indústria elétrica e eletrônica recuou 2,3 pontos no mês de julho, mostra o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI). Resultante da compilação de dados desagregados da de uma pesquisa mais amplia da Confederação Nacional da Indústria (CNI) pela Abinee, entidade que congrega as empresas da indústria elétrica e eletrônica, o ICEI de julho atingiu 55,2 pontos ante 57,5 pontos em junho.

Embora considere a retração pequena, o presidente da Abinee, Humberto Barbato, citou alguns motivos que levaram à diminuição da confiança do empresário na economia. Além da persistência da inflação em não ceder e voltar para dentro da meta, mesmo diante das seguidas elevações da taxa de juros, pesa também para a queda a proximidade da eleição.

É que, segundo Barbato, as pesquisas eleitorais mostrando a vantagem que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) abre sobre presidente Jair Bolsonaro (PL) têm preocupado o empresariado do setor, que mantinha a esperança de ver o mandatário reeleito.

“Não vejo nesta queda da confiança em julho um grande problema porque minha leitura é de que ela foi pequena, mas ela reflete uma taxa de inflação e juro que vão causar um crescimento econômico menor que o que estava sendo esperado e porque a eleição está se aproximando e as pesquisas mostrando o Lula como vencedor”, disse Barbato ao Estadão/Broadcast, ressaltando que no setor tem preferências para os dois lados.

As sinalizações do Lula sobre o que vai fazer com o teto de gastos, por exemplo, levam os empresários à crença de que poderá ter um descontrole fiscal desastroso e um consequente estouro da inflação nos próximos anos, diz o executivo. “Por outro lado, se tivermos uns dois meses de desaceleração da inflação, o ICEI volta a subir. Por isso que não considero a queda de julho um grande problema”, ponderou Barbato.

Médio Prazo

Se na margem, comparação julho com junho, a confiança da indústria eletroeletrônica sofreu uma pequena estremecida, há 24 meses ela permanece acima da linha divisória dos 50 pontos. Vale lembrar que o ICEI varia de 0 a 100 pontos, sendo que valores acima de 50 pontos mostram confiança do empresário industrial e abaixo de 50 pontos apontam falta de confiança.

“Este resultado mostra que, mesmo com as dificuldades que a indústria eletroeletrônica vem enfrentando, principalmente com a falta de semicondutores no mercado e sua consequente alta de preços, o empresário industrial do setor continua confiante, porém com um otimismo mais moderado”, analisou Barbato.

O ICEI da indústria geral ficou estável em relação a junho, permanecendo em 57,8 pontos. Assim como o ICEI do setor eletroeletrônico, o índice de confiança da indústria geral também permanece acima de 50 pontos há 24 meses.